Subprefeitura da Sé é a que tem maior orçamento para 2015

Por Daniel Santini e Vitor George

Com mais de R$ 74 milhões reservados para 2015, a Subprefeitura da Sé, que administra a região central de São Paulo, é a que tem maior orçamento previsto segundo a base de dados da Lei Orçamentária Anual (LOA), disponíveis no site da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sempla) da Prefeitura Municipal. Já a Subprefeitura de Cidade Tiradentes, no extremo leste da cidade, é a que menos receberá recursos, com pouco mais de R$ 28 milhões reservados. Os gastos previstos por subprefeituras foram organizados pelo Código Urbano e ajudam a visualizar como foi planejada a distribuição do orçamento reservado para as subprefeituras para este ano.

Na visualização abaixo, além de o orçamento total por subprefeitura, é possível também visualizar a população de cada região e o valor gasto por habitante. Use o menu no lado superior à direita para alternar a visualização de camadas (“layers”, em inglês) e verificar a população por subprefeitura e a estimativa de gastos por habitante.

Todas as bases de dados dessa visualização estão disponíveis para download no GitHub

A visualização de gastos por habitante muda o quadro e faz com que regiões menos populosas fiquem no topo da tabela de investimentos. É o caso da Parelheiros*, subprefeitura que administra uma área bastante ampla e com baixa densidade habitacional ao sul da cidade, e que é a que mais receberá recursos por habitantes em 2015: R$ 288,00. A de M´Boi Mirim é a que tem menor orçamento por pessoa: R$ 87.

O mapa permite ao cidadão ter uma ideia de quanto dinheiro cada subprefeitura administrará –  e até cobrar diretamente seu subprefeito sobre como este dinheiro será gasto (consulte o nome e telefone de todos eles). Mas não permite uma análise mais aprofundada, na qual teriam que ser incluídas outras variáveis como renda média por morador de cada subprefeitura, por exemplo. Já apresentamos um mapa que explicita a desigualdade espacial por renda (em um tutorial sobre como montar mapas), mas a divisão com a qual trabalhamos é por distrito, e não subprefeitura, o que impede incluir essa variável na comparação.

Por fim, não custa lembrar que no mapa em si estão apenas os recursos que serão administrados diretamente pelas subprefeituras, e não todos os investimentos que a Prefeitura fará em cada região.

* Texto atualizado nesta quarta-feira, dia 18, para correção de informações. Ao contrário do informado originalmente, a Subprefeitura que mais receberá recursos por habitante em 2015 é Parelheiros e não Capela do Socorro. Por um equivoco, o nome das duas foi trocado na redação deste parágrafo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *